«Quem tem menos de 50 anos deve entrar às 10 ou 11 horas no Serviço» Afirma Investigador clínico do sono

«Quem tem menos de 50 anos deve entrar às 10 ou 11 horas no Serviço» Afirma Investigador clínico do sono

Aqueles que têm cinquenta anos ou mais devem começar o trabalho às 8h00, enquanto os “trintões” às 10h00, e os estagiários adolescentes às 11h00 diz um especialista do sono.

06 Sep 2012, New York State, USA --- Black businessman sleeping at desk --- Image by © Peter Dressel/Blend Images/Corbis

Já todos tivemos a sensação de ir para o trabalho a “dormir em pé”, mas imagine que podia resolver isso com uma solução muito simples: acordar mais tarde. Quem o diz é Paul Kelley, investigador clínico na matéria do sono no Instituto de Neuro-ciência da Universidade de Oxford, citado pelo The Guardian. Num discurso no festival britânico da ciência, Kelley aconselha as escolas a escalonar o início do trabalho (ou seja, das aulas) com o ritmo biológico dos estudantes. Esta medida pode melhorar a perfomance cognitiva, os resultados dos exames e a saúde dos estudantes. Já a privação do sono pode estar relacionada com doenças como a diabetes, depressão, obesidade e com a debilidade do sistema imunitário.

Paul Kelley revelou, baseado num estudo realizado pelo próprio, que as crianças com idade a rondar os 10 anos têm um horário biológico de despertar que ronda as 6h30 da manhã, sendo que para os jovens com 16 anos este horário sobe para as 8h00 e aos 18 o despertar natural é às 9h00. Ou seja, as escolas convencionais começam a sua atividade de acordo com os horários adequados às crianças de 10 anos, mas não aos de 16 e 18 . “O despertador dos adolescentes tocar às 7 da manhã é o equivalente para um professor na casa dos 50 acordar às 4h30.”

Mas não são apenas os estudantes que podem beneficiar com um despertar mais tardio. O dia de trabalho devia ser aplicado de acordo com os nossos ritmos naturais. Ao descrever a média de horas de sono “perdidas por noite”, ou seja, o tempo que se dorme a menos do que se devia nos diferentes grupos etários, Kelley afirma que “entre os 14 e os 24 são mais de duas horas. Entre os 24 e os 30/35 é cerca uma hora e meia. Isto pode continuar até aos 55 onde tudo fica equilibrado outra vez. As pessoas com 10 anos de idade e com 55 têm horários naturais de sono iguais.”

Talvez seja por causa desta situação que o investigador afirma que o típico horário das nove às cinco é mantido pelos patrões, muitos deles na casa dos 50, porque “é melhor para eles”.  Assim, aqueles que têm cinquenta anos ou mais devem começar o trabalho às 8h00, enquanto os “trintões” às 10h00 e os estagiários adolescentes às 11h00. Kelley diz que esta sincronização de horários pode trazer “muitas consequências positivas.”

O lado positivo disto é que o desempenho das pessoas, a disposição e a saúde vão melhorar. Esta solução vai tornar as pessoas menos doentes e mais felizes e melhores naquilo que fazem.”

Depois de tanta explicação, Kelley esclareceu a que horas começa ele próprio a trabalhar: “Eu tenho 67 anos o que significa que voltei aos 10 anos de idade, e levanto-me pouco antes das seis. Eu acordo naturalmente”. E sim, o início do dia de trabalho é agora muito mais fácil do que quando Paul Kelley era mais novo.

Fonte: http://observador.pt

Comente Com Facebook

Deixar uma resposta